sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Entrevista com o colega Sidnei

   Na última terça-feira nossa equipe entrevistou o colega da operação Avelino Sidnei Almeida Cavalheiro, conhecido na Carris apenas como Sidnei. O Sr. Sidnei ingressou na Carris como motorista em 1995, em 2007 assumiu uma vaga de monitor. Antes disso, trabalhou por quatorze anos como motorista da SOPAL (Sociedade de ônibus Porto Alegrense), empresa de ônibus da zona norte de Porto Alegre. 
   Além de realizar suas funções na operação da empresa,  nosso colega se destacou pela sua participação no grupo de Voluntários da Carris, por ter feito parte da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidente), por ter participado da Comissão de Funcionários e por ter integrado o grupo "Vida que te Quero Verde", criado no início dos anos 2000 para prevenir e combater a dependência em  álcool e outras drogas entre os colaboradores da Carris.  
     Participando de tantas iniciativas diferentes, o Sr. Sidnei tem várias histórias para contar. Ele nos falou, por exemplo, que muitas das flores que se encontram na  fachada da Carris e no pátio interno da empresa foram plantadas por ele. Também nos contou sobre os passeios que eram realizados com os colegas para o Parque de Itapuã e sobre as festas que ajudava a organizar aqui na empresa. 
     Uma das informações interessantes que o nosso colega trouxe foi sobre a existência de ações que eram realizadas fora da Carris, auxiliando instituições de amparo. O Sr. Sidnei nos contou que o grupo de Voluntários da Carris apadrinhava algumas destas instituições e as auxiliava de diferentes formas. Para uma casa que acolhia moradores de rua, por exemplo, foi construída uma nova sede (o primeiro abrigo apresentava condições muito precárias). Com doações e o trabalho dos voluntários foi possível erguer uma casa que oferecia condições dignas para os abrigados, com mais quartos e banheiros. Em 2006, o Sidnei foi tema de uma matéria do Volante, jornal interno da Cia. Carris. A seguir, podemos ler o conteúdo desta reportagem: 




      Ao colega Sidnei deixamos o nosso agradecimento por nos confiar o seu depoimento e pelas várias fotografias e documentos digitalizados que ele nos passou. É muito bom poder valorizar pessoas tão entusiasmadas em participar e contribuir pela melhora da qualidade de vida da comunidade e dos colegas.  

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Há um século no Correio do Povo

        Nossos leitores lembram da coluna "Há um século no Correio do Povo"? Temos entre nossos documentos uma pasta com recortes e cópias dos textos publicados nesta coluna nos anos de 2009 e 2010. Muitos destes materiais trazem informações sobre a Cia. Carris e o serviço de bondes da cidade.  Em uma das matérias, por exemplo, ficamos sabendo sobre a origem de uma das fotos de nosso acervo que, inclusive, foi utilizada para a constituição de um dos painéis que compõe a exposição do Museu Itinerante Memória Carris.  Trata-se da seguinte imagem: 





  Nela podemos ver a Praça da Alfândega e a chegada de um bonde modelo Gaiola (Dick Kerr) fazendo a linha Navegantes (letra "N" na capela do bonde). A partir do material encontrado, ficamos sabendo que esta é uma fotografia publicada pelo jornal Correio do Povo de 17 de janeiro de 1909 para ilustrar a seguinte nota: "(...) Na foto, o público saindo do cinematógrafo Recreio Familiar e da confeitaria A Bohemia em direção ao bonde. O cinematógrafo exibia na ocasião o espetáculo "Os Guardas do Farol em Alto- Mar (...)".  Temos a informação, portanto, que as pessoas que aparecem nesta imagem estavam, em sua maioria, locomovendo-se para casa após um momento de lazer no cinema e em uma confeitaria, dois hábitos vistos como elegantes e bastante apreciados no início do século XX. 

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Entrevista com Sr. Rui

    No último dia onze de maio entrevistamos para o nosso banco de história oral o colega Rui Jesus de Barros. O Sr. Rui foi auditor da Cia. Carris por trinta e um anos e estava em seu última dia de trabalho antes da aposentadoria quando recebeu nossa visita. A história deste colega com a Carris é muito rica! Aprendemos muito sobre a história recente da empresa durante uma hora e meia de entrevista com o Sr. Rui. Por ocupar um lugar estratégico dentro da empresa (a auditoria) este nosso colega nos deu acesso a uma visão da Carris que dificilmente alcançaríamos com outras fontes. 
      Nascido na cidade de Nonoai em 1947, o Sr. Rui veio para Porto Alegre no ano de  1968 para trabalhar. Por um período curto de dois anos, nosso colega conviveu com os bonde e chegou a conhecer os troleibus que circularam na cidade entre 1964 e 1968. Antes de trabalhar na Carris teve empregos em diferentes empresas e bancos, sempre trabalhando na área financeira. Em 1986 ele ingressa na Cia. Carris por conta de uma exigência da antiga EBTU (Empresa Brasileira de Transportes Urbanos), empresa pública federal que cobrou a existência de um setor de auditoria interna dentro da empresa.
  Ao nos contar sobre seu ingresso na Carris, nosso colega auditor trás informações importantes para o nosso trabalho. Nos é informado, por exemplo, que a EBTU (um órgão federal criado em 1975 e extinto em 1991) teve como objetivo articular e garantir a efetividade de uma política nacional de transportes públicos. A Carris, por exemplo, tinha a EBTU como proprietária de 25% de suas ações, o que dava poderes de decisão a esta estatal aqui na empresa. Em função desta situação de acionista é que  a EBTU estava autorizada a realizar exigências quanto a administração da Carris. Por isso, foi necessário atender a determinação da empresa federal e o setor de auditoria foi criado. 
    O Sr. Rui também no informa que quando a empresa foi extinta em 1991 as suas ações da Carris foram entregues ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Este órgão, por sua vez, leiloou estas ações na Bolsa de Valores de São Paulo. Foi necessária uma articulação entre a Cia. Carris e a Prefeitura de Porto Alegre para que a compra das ações fosse realizada pelo nosso poder público municipal. Atualmente, 99,9% das ações da Cia. Carris pertencem a Prefeitura de Porto Alegre. 
   Muitos outros fatos interessantes são relatados pelo nosso ex colega. Ele nos conta, por exemplo, que efeitos tiveram aqui dentro da empresa a lei que passou a exigir a realização de concursos públicos para o provimento de cargos nas Empresas de Economia Mista, categoria em que a Carris se encaixa. O conceito de Empresa de Economia Mista remonta a Constituição Federal de 1988, entretanto, esta definição possibilitou diferentes interpretações sobre a forma de contratação de funcionários. Apenas em 1990 o Superior Tribunal Federal decide que as contratações das Empresas de Economia Mista precisam acontecer através de concursos. Entretanto, neste meio tempo de dois anos, muitas contratações foram realizadas na Carris pelo método de seleção através do setor de Recursos Humanos. Esta situação tornou necessário um grande esforço para a regularização destes novos colaboradores contratados. Em seu depoimento, o Sr. Rui nos conta que foi um processo bastante trabalhoso. 
     Sobre a atual situação da Cia Carris, nosso ex colega opina: "(...) Eu olho a Carris como um ente vivo da cidade, a Operação da Carris impacta a vida da cidade e de todos os cidadãos de Porto Alegre (...). Então o que eu quero dizer é que a Carris é importante para a Porto Alegre e que a população de Porto Alegre é a favor da Carris (...)".



      Infelizmente, encontramos em nosso acervo de fotografias digitalizadas apenas uma imagem do Sr. Rui aqui na Carris..... A fotografia que foi postada à cima é de maio de 1993 e o Sr. Rui é o colega de jaqueta de couro e que saiu de olhos fechados na foto.... 
    
     
        

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Memórias de um Motorneiro

     O título deste texto está incompleto... Na verdade o Sr. Pedro Carneiro Rodrigues foi condutor, motorneiro e fiscal nos bondes elétricos da Cia. Carris. Trabalhou na empresa entre 1938 e 1971, trinta e três anos, portanto, de dedicação à Carris. 
    Organizando algumas das pastas de documentação encontramos um pouco da história do Sr. Pedro aqui na empresa. Em um material de nove páginas datilografadas, o ex funcionário relembra algumas histórias de sua trajetória nos bondes de Porto Alegre. Já num primeiro momento é possível constatar que o Sr. Pedro era "muito esquentado", pois a maioria das histórias são de relatos de brigas em que ele se envolveu. Em um dos relatos o autor conta sobre uma confusão que envolveu um inspetor e um chefe de polícia. O texto tem o sugestivo nome de "Abuso de Autoridade" e encontra-se transcrito abaixo: 
 "(...) Houve um incêndio no Club de Regatas Almirante Barroso na Rua Voluntários da Pátria. Eu fiquei com o bonde transportando os passageiros (baldeação) da Rua do Parque até o fim da linha. Uma moto saiu do local do incêndio e foi pela linha do bonde, apesar da via dos outros veículos ser fora dos trilhos do bonde. Eu fui atrás da moto até a Rua São Pedro. Após a Av. Farrapos a linha do bonde é no meio da rua (linha única), daí em diante eu toquei o bonde em cima tocando o tímpano (sineta). Na parada seguinte o motoqueiro parou e eu olhei para ver se ele era normal. Ele tocou para a outra parada e veio me identificar. Eu perguntei o porquê, aí ele se identificou como inspetor de polícia e mandou eu tocar o bonde para o fim da linha. 
    No fim da linha chamou o guarda civil que cuidava dos pedestres que passavam dos bondes Florestas para o São João com baldeações. Quando o guarda chegou perto, ele me agarrou e me empurrou para fora. Eu o agarrei pelo casaco e levei-o junto, como ele ficou no ar eu bati o corpo dele contra o bonde. Mandou o guarda me prender, dizendo que eu estava resistindo a prisão e me deixou incomunicável com o guarda e chamou o camburão.
    Me levou para a delegacia na Rua Riachuelo e me deu um chá de banco de toda a tarde, até o delegado ir embora. Passei a tarde ouvindo piadas de outros policiais: 'esse é o tigrinho, o valente?' Até que chegou o chefe deles, que chamou o fiscal de viagem que foi levado por não me substituir. Expliquei o que aconteceu e ele perguntou ao cara se eu estava calmo assim como no momento. O cara disse que não, que eu parecia uma fera, queria té dar de alavanca nele. Eu disse que ele estava faltando com a verdade. Eu tinha na mão a chave de reversão e se eu quisesse agredi-lo podia, porque a chave na mão é o mesmo que uma soqueira (soco inglês), mas eu não faria isso porque ele já havia se identificado como policial. Diante do chefe ele me desafiou, que iria me encontrar e resolver o caso. 
      Eu disse ao chefe que aquele cara não podia ser policial, que ele era um arruaceiro. O fiscal me disse: 'Vamos embora, não de conversa a estes bichos". Para quê! O chefe perguntou se ele era filho de cavalo, vaca ou de outro bicho. Eu expliquei que era gíria e que gente fina era chamada de bicho pelos pobres (...)". 
   Lendo o restante das memórias do Sr. Pedro ficamos sabendo que esta não foi a única confusão que ele arrumou nos bondes.... Além das histórias das encrencas em que se envolveu, o autor também conta um pouco sobre o cotidiano da cidade naquele período. Em um dos seus textos, por exemplo, é lembrada a prática de encomendar remédios por telefone nas  farmácia e estas enviarem os pacotes pelo motorneiro. O ex motorneiro conta que eram pagas gorjetas aos trabalhadores dos bondes quando prestavam este serviço.
  São muitas as histórias divertidas presentes neste material. Em outro momento iremos publicar aqui no blog mais memórias do Sr. Pedro Carneiro Rodrigues, ex trabalhador dos bondes elétricos de Porto Alegre. 

Tripulação dos bondes em 1965. Não temos a identificação dos nomes dos funcionários. 

segunda-feira, 19 de junho de 2017

A Carris completa 145 anos neste 19 de junho!

      Hoje é uma data muito importante para todos os amigos que acompanham as atividades do nosso setor. A Carris está completando 145 anos! São quase um século e meio acompanhando o desenvolvimento de Porto Alegre. Em todo esse tempo ocorreram inúmeras transformações na empresa, na cidade e no mundo! Criada em 1872, nossa empresa atravessou todo o século XX, um período marcado por grandes transformações tecnológicas e sociais. O transporte urbano, segmento que se insere no cotidiano das pessoas, acompanhou estas mudanças alterando suas tecnologias e buscando adaptar-se a um público que tem cada vez mais pressa. Se no início da Carris, lá no século XIX, era aceitável que os bondes puxados por burros levassem horas entre o  Menino Deus e o Centro, hoje a mesma distância pode ser feita em apenas alguns minutos.  Porto Alegre cresceu assim como a complexidade da vida. Temos que nos locomover por distâncias cada vez maiores e em um tempo cada vez menor. Buscando dar conta desta nova realidade, a Carris também se transformou, se adaptando as necessidades trazidas pelo passar do tempo.
   Assim como as transformações, as permanências também fazem parte de uma história de 145 anos. O amarelo da Carris, por exemplo, manteve-se sempre presente na identidade visual dos veículos da empresa. A cor que é uma referência para a Cia. Carris Porto-Alegrense também é um dos símbolos da Cia. Carris de Ferros de Lisboa. As duas empresas foram criadas em 1872 através de decretos assinados por D. Pedro II, na época Imperador do Brasil. Sabe-se que o amarelo foi uma das cores símbolo do Império, que tinha D. Pedro II como seu representante máximo. Acredita-se, portanto, que as duas empresas têm o amarelo como símbolo em homenagem ao antigo Imperador, responsável pela criação das empresas de transporte de Porto Alegre e Lisboa.
     Transformar-se buscando adaptar-se aos novos tempos, mas mantendo seus símbolos e suas referências. Respeitar a própria história é reconhecer o valor dos caminhos já percorridos e que nos trouxeram até aqui. Seguindo estes princípios é que a Cia. Carris chega aos seus 145 anos. Sabe-se que uma empresa que tem 145 anos interruptos de atividade tem muita história para contar, assim como existem muitas formas de contar estas histórias. Para comemorar este 19 de junho, o setor de Memória da Carris pensou em apresentar as modificações ocorridas em objetos que são corriqueiros em uma empresa de transporte público. Para tanto, foi produzida uma exposição contendo quatro linhas do tempo diferentes: uma da identidade visual da empresa, uma dos letreiros dos seus veículos, uma dos bancos de passageiros e outra das diferentes formas de se cobrar a passagem praticadas ao longo da história da Carris. Esta exposição ficará fixa na sede da Carris entre os dias 19 e 23 de junho. Após este período, ela irá itinerar pelos diferentes terminais da Carris. As datas e os horários em que a exposição estiver em cada terminal serão divulgadas em nossas redes sociais! 





     

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Pequenas histórias sobre os bondes

  Consultando o material que temos em nosso arquivo, encontramos uma pasta intitulada: "Textos Interessantes sobre Bondes". Trata-se de uma coletânea de materiais que foram reunidos tendo como ponto em comum a circulação dos bondes elétricos em diferentes cidades brasileiras. Acreditamos que estes textos foram reunidos em um momento em que o acesso à informação pela internet não era tão simples como hoje, tornando necessária a organização material de uma pasta com arquivos impressos.         
   Praticamente nenhum destes materiais tem especificada a fonte das informações, a maioria deles não tem também dados básicos como o ano em que foram escritos ou coletados. Esta situação dificulta bastante o nosso trabalho na hora de citar estas informações, mesmo assim, há relatos curiosos que iremos transcrever  para os nossos leitores. 
  Um dos dados interessantes encontrados é a origem do termo bonde, em um dos textos citados é explicado: "A palavra 'bonde' tem sua origem na palavra inglesa 'bond', que significa bônus, título, obrigação. Essa palavra só existe no Brasil; esse meio de transporte, dependendo de suas características, recebe nomes como 'elétricos' em Portugal, 'tranvía' em países de língua espanhola e 'tran', 'trolley' ou 'streetcar' em países de língua inglesa."
   Em um texto publicado no jornal  "Jangada Brasil", do município de Palhoça em novembro de 1999 são contados fatos sobre os bondes mortuários, que sabemos que também existiram em Porto Alegre: "(...) Havia bondes mortuários com formatos especiais, preços tabelados conforme a classe, com o fim exclusivo de levar caixões de defunto para o cemitério. Os cheios de cortinas e safenas, plumas e tapetes, eram para os ricos. Para os pobres existia o franguinho d'água quase nu de adornos com umas modestas safenas, que voavam quando o veículo corria os trilhos. O bonde-misto, conduzindo ao mesmo tempo o defunto e os acompanhantes era ainda mais modesto. Para os remediados contava-se com um discretamente decorado, com laços e cortinas pretas que lhe dava um aspecto sinistro de morcego (...)". 
   Um outro texto que tem como título "BH 100- Lembranças dos Bondes", apresenta  pequenos relatos de aventuras e vivências na época dos bondes. A partir do título da publicação fica fácil deduzir que são textos sobre a cidade de Belo Horizonte. Muitas destas memórias são de antigos "moleques" lembrando de suas traquinagens de crianças, histórias que também são muito escutadas por nossa equipe quando recebemos visitas em nosso ônibus Memória Carris. Em um dos relatos, por exemplo, é dito: "(...) Para a turma de garotos da vizinhança, fãs de bolinha de gude, rodar pião, soltar papagaios, jogar benti-altas, mãe-da-rua, polícia e ladrão, pique-esconde e andar velozmente em carrinhos de rolimã, o bonde era um amigo permanente, companheiro temido nas brincadeiras de rua. 'Altas, lá vem o bonde' (...)". 
Outra história lembrada continua narrando molecagens: "(...) Nas lutas aladas entre papagaios de papel, a arma fatal importada do Rio de Janeiro, o cerol, pó de vidro colado à linha do carretel, cortava como faca as linhas dos oponentes. A preparação exigia vidro moído bem fino, misturado às colas artesanais. O bonde ajudava nesta tarefa: púnhamos cacos de vidro sobre os trilhos, e nos escondíamos no lote vago para assistir ao massacre dos mesmos pelas rodas do vagão enorme e barulhento, com seu peso descomunal. Depois era só recolher cuidadosamente o pó compacto. Resultado perfeito! (...)". 



terça-feira, 21 de março de 2017

Veridiano Farias: "O Teimoso"

   Semana passada recebemos aqui no setor um belo presente do Museu de História da Medicina do Rio Grande do Sul. Trata-se de um livro com artigos sobre práticas da Medicina ao longo da História do Rio Grande do Sul. Um dos textos conta a história de Veridiano Farias, o segundo negro formado em Medicina no nosso estado e o primeiro a se formar na UFRGS. Veridiano, além de médico, trabalhou na Cia. Carris como motorneiro e como músico do "Jazz Carris", conjunto musical formado por funcionários da empresa que fez sucesso em Porto Alegre na primeira metade do século XX.   
  Lendo a história de vida de Veridiano Farias, lembramos do grande número de colegas da Carris que trabalham nos ônibus da empresa (como motoristas e cobradores) e que conciliam trabalho, família (muitos com filhos) e os estudos. O sonho de um futuro melhor dá a estes colegas a força necessária para seguir dando conta de uma rotina muitas vezes extenuante.
   Nosso ex colega que tornou-se médico, é um exemplo da luta que muitos brasileiros vivem para  estudar e realizar seus sonhos. Veridiano nasceu na cidade de Rio Grande no ano de 1906. Neto de escravos, seu pai era estivador no porto e sua mãe dona de casa. Ainda criança veio morar em Porto Alegre com a família. Começou a estudar tarde, sendo que só terminou o ensino secundário (chamado de ginásio na época), em 1942 quando já tinha 36 anos.
   Veridiano sempre foi ligado a música, ainda pequeno aprendeu a tocar vários instrumentos musicais. Este conhecimento lhe foi muito útil como fonte de renda, pois trabalhou como músico em diferentes conjuntos da época. Foi amigo pessoal de artistas de renome da cena musical porto-alegrense como Lupcínio Rodrigues, Rubens Santos e Túlio Piva. Enquanto estudava, teve vários empregos além de manter as atividades de músico. Um deles foi de motorneiro da Carris.
  Conhecido por seus colegas como "O Teimoso", Veridiano fez três vestibulares para Medicina na UFRGS. Foi aprovado apenas no quarto, mas não obteve a média necessária para o curso. Decidiu então tentar a sorte em uma faculdade no Rio de Janeiro, onde foi aprovado. Mudou-se para a capital federal da época e sustentou-se como músico enquanto cursava os primeiros semestres da faculdade. No ano de 1946 conseguiu a sua transferência para a UFRGS, isto após escrever uma carta para o ex presidente Getúlio Vargas contando a sua história e falando sobre a  saudades que sentia da família, neste momento Veridiano era pai de duas crianças. O político se sensibilizou e usou sua enorme influência para que o nosso ex colega tivesse sua transferência aceita pela federal do Rio Grande do Sul.
  Em 15 de dezembro de 1951 Veridiano Farias formou-se em Medicina na UFRGS, o ex motorneiro havia realizado o seu sonho. Em seguida começou a clinicar como dermatologista no Hospital Colônia de Itapuã. Infelizmente nosso ex colega exerceu seu sonho de auxiliar as pessoas através da Medicina por pouco tempo, em 10 de agosto de 1952 Veridiano teve um enfarto e acabou falecendo.
  Através do exemplo de Veridiano Farias gostaríamos de homenagear todos nossos colegas da Carris que se desdobram de diferentes formas para manterem seus sonhos de obter uma formação melhor através do estudo. Desejamos que estes colegas consigam manter sua esperança viva e que possam alcançar seus objetivos!



Foto de Veridiano Farias no dia da sua formatura.